Irã

Destinos > Irã > Últimos Roteiros
07 outubro 2019

Estou no avião a caminho do Irã neste exato momento. Vamos em grupo através da @pamatours desvendar durante doze dias este país que para mim, ainda é muito misterioso. O Irã, localizado na região da Pérsia é a jóia da coroa do Islã, combinando uma arquitetura gloriosa com uma recepção calorosa. Mais ainda pouco se fala sobre o seu potencial turístico, com uma história cheia de detalhes, uma cultura instigante e paisagens magníficas. Fazer turismo no Irã ainda é pouco comum, principalmente para brasileiros. A verdade é que, devido aos conflitos anunciados constantemente muitas pessoas consideram o país inseguro e infelizmente ou felizmente, o Irã ainda não está na lista de viagem de muita gente! Convido a todos me acompanharem durante os próximos dias nesta incrível viagem em um dos países com uma das mais antigas histórias!

ira2

Teerã

Cheguei no Irã!!!! Uhuhuh!!!! A viagem começa logo no avião. Assim que o comandante anuncia a chegada em Teerã, é obrigatório colocar o véu para cobrir os cabelos e uma blusa comprida para cobrir o “bumbum”. Não importa se você é turista ou não! É assim que foi a minha entrada no Irã.
Minha primeira parada é na cidade de Teerã. Embora não seja a cidade mais antiga ou mais bonita do Irã , a movimentada metrópole de Teerã não deixa de ter seu próprio charme atraente. Lar de mais de 10 milhões de iranianos, o horizonte em grande parte concreto é definido como o cenário de tirar o fôlego das montanhas Alborz, que emergem da neblina abaixo. Frequentemente subestimado como destino turístico, dizem que em nenhum lugar você experimentará mais do que aqui nesta cidade o sabor real da vida iraniana contemporânea. É o que vou conferir! Vem comigo!

pm

Palácio Golestan

Hoje foi dia de conhecer o deslumbrante e glorioso Palácio Golestan. É impossível imaginar uma viagem a Teerã sem visitar este monumento histórico mais antigo da cidade. Localizado na Praça Khordad, o Palácio Golestan é uma coleção de edifícios situados em um parque murado com veios de canais que descem das montanhas Tochal. Os edifícios que compõem este magnífico complexo são alguns dos mais antigos de Teerã e misturam estilos arquitetônicos persa e europeu, em particular francês. O Palácio Golestan, na verdade era a sede e a residência da dinastia Kahdja, mas foi usado pelo último dos xás, Mohammad Reza Pahlavi e seu pai Reza Shah, em ocasiões cerimoniais. Apesar da revolta durante a revolução da revolução de 1979, esses palácios permanecem como museus para a história passada de Irans e estão abertos ao público iraniano. Por lá, toda a decoração leva muitas cores. Mas eu particulamente fiquei deslumbradae de queixo caído com a sala dos espelhos…uma pena que as fotos não podem traduzir a real beleza do espaço. Não podemos descrever o palácio como um museu – é uma evidência impressionante da grande majestade da dinastia. O Palácio Golestan foi indicado e, em 2013, recebeu o título de Patrimônio Mundial da UNESCO.

g1 1

Museu das Joias

O Museu das Jóias da Coroa Iraniana está situado no Tesouro do banco central da República Islâmica do Irã. Este museu do tesouro fica na construção do Banco Central do Irã na Rua Ferdowsi, em Teerã. Muitas das jóias reais iranianas das dinastias Safavid, Afshar, Qajar e Pahlavi são apresentadas neste museu. Eles incluem Darya-ye Noor Diamond, Jogheh Naderi (Naderi Paisley), Coroa de Farah Pahlavi, Coroa de Kiani, Javaherneshan Globe, Sun Throne e Naderi Throne. As jóias da coroa iraniana são tão artisticamente, historicamente e exclusivamente importantes que mesmo os especialistas e avaliadores mais habilidosos do mundo não conseguiram determinar seu valor real ou aproximado. Os objetos e jóias preciosos desse tesouro representam 75% da cobertura do Irã para notas.

MJ
MJ3

Niavaran Palace

Localizado em um dos bairros de alta classe de Teerã, o Niavaran Palace Complex é um edifício que pertenceu à família real de Qajar. Este complexo oásis é composto por várias partes, incluindo palácios, museus e jardim. Os reis Qajar tinham uma atitude de prazer, então construíram vários grandes palácios em sua capital, Teerã. Então, Fathali Shah ordenou a construção de um palácio neste jardim. Mas em 1985, Mohammad Reza Shah decidiu construir um palácio novo em vez do antigo. No início, este palácio era usado para receber visitantes estrangeiros, mas, eventualmente, a Família Pahlavi assumiu a residência. Durante os anos, outras partes foram adicionadas ao complexo. A arquitetura e decoração são de tirar o fôlego. Eu não conseguia tirar os olhos do teto e das paredes. Foram selecionados os melhores artistas do Irã para projetar este palácio.

N
N4

Palácio Saada Abad

A tarde foi hora de visitar outro complexo de Palácios.
Saada Abad é um complexo cultural e histórico que abrange uma área de 110 hectares e está localizado na parte norte de Teerã. O complexo contém 18 palácios pertencentes às famílias reais de Qajar e Pahlavi, em um jardim único e bonito. O complexo foi construído e habitado pelos monarcas Qajar no século XIX. Após uma expansão dos compostos, Reza Shah, da dinastia Pahlavi, morou aqui na década de 1920, e seu filho, Mohammad Reza Pahlavi, se mudou para cá na década de 1970. Após a Revolução de 1978, o complexo tornou-se um museu. Como estávamos com pouco tempo, entramos somente no palácio Verde. A sala de espelho continua sendo algo impressionante. Neste palácio também não podia tirar foto e por isso peguei algumas fotos da Internet.

ps
ps3

Torre Azãdi

No caminho para o aeroporto, paramos na Torre Āzādi ou Torre da Liberdade. Ele é o símbolo de Teerã. A torre, construída em 1971 por ocasião das comemorações dos 2.500 anos do Império Persa, foi chamada originalmente Shahyād, que significa “memorial dos reis”. Passou a chamar-se Azadi (“liberdade”) a partir dos protestos que tiveram no lugar em 12 de dezembro de 1978, que conduziriam à Revolução de 1979.
Foi concebida pelo arquiteto Hossein Amanat, que aos 24 anos apresentou o projeto vencedor do concurso realizado em 1966. A Torre Azadi combina os elementos arquitetônicos do período Sassânida e da arquitetura islâmica. Tem 45 m de altura e é inteiramente revestida por 25 mil placas de mármore branco de Isfahan. Um museu e várias fontes completam o conjunto. A torre está situada no centro da Praça Azadi. Ao subir as escadas ou o elevador até o topo, você pode contemplar a movimentada cidade de Teerã. O museu da cripta, por outro lado, exibe várias tábuas cuneiformes, cerâmicas e cerâmicas antigas, além de uma réplica do Cyrus Cylinder (cujo original está alojado no Museu Britânico ). É também um local de concertos durante o Festival Internacional de Música de Fajr, realizado todos os anos.

az
az3

Yazd

Com suas ruas sinuosas, florestas de badgirs, casas de tijolos de barro e lugares agradáveis ​​para ficar, Yazd é um destino ‘must go’. Em uma planície cercada por montanhas, a cidade fica entre o norte de Dasht-e Kavir e o sul de Dasht-e Lut e é a cada centímetro, uma cidade do deserto. Pode não ter as vistas mais caras de Esfahan ou Shiraz, mas com seus becos atmosféricos e séculos de história excede em sua capacidade de encantar. Yazd justifica uma abordagem preguiçosa – percorrendo o labirinto de ruas históricas (conhecidas localmente como ‘textura histórica’ de Yazd), entrando em casas de chá aleatórias ou parando para resolver quebra-cabeças caligráficos no requintado trabalho doméstico da cidade.

yazd

Templo do Fogo

Primeira parada do dia foi no Templo do Fogo. Este elegante templo foi fundado em 1932 e construído com contribuições de zoroastrianos de
Yazd e da Índia (Parses) como uma demonstração do estilo arquitetônico da Era Aquemênida (Persépolis). O imponente símbolo do Faravahar reluz no alto da fachada e uma chama que queima há 1500 anos atrai milhões de turistas durante todo o ano. É o fogo de Varahram que fica em uma câmara especial no interior do templo em uma pira de bronze. O fogo é mantido com a queima de madeira (e não gás). As pessoas que “alimentam” o fogo fazem um rodízio sem deixar o fogo apagar.

tf

Mesquita Jameh

A magnífica Mesquita Jameh é um marco importante da cidade, quase sempre lotada por turístas de dentro e fora do país. Sua imponente estrutura com vista para a imensidão do deserto, evoca a história das civilizações mais antigas escondidas na neblina do tempo.
Segundo os historiadores, a mesquita foi construída no local do antigo templo fogo Sassânida no séc. XII e é um exemplar dos melhores mosaicos persas e excelente arquitetura. Seus minaretes são os mais altos do país com 52 m de altura.

mjj

Hora de dizer até logo para Yazd. Foi um dia inteiro cheio de passeios e muita história. Aqui um pouquinho do meu registro por esta encantadora cidade!

Tabiat Bridge ou Ponte da Natureza

Voltamos para Teerã somente para “escala”. Aproveitamos para conhecer a Ponte da Natureza! Que lugar lindo!!!!
A Tabiat Bridge ou Ponte da Natureza é considerada uma obra prima arquitetônica. É a maior ponte para pedestres construída até agora no Irã. Localizado no norte de Teerã , conecta dois parques públicos, passando por Shahid Modarres, uma das principais rodovias da cidade. ‘Tabiat’ significa ‘Natureza’ na língua persa. A ponte tem cerca de 270 metros de comprimento e consiste em uma treliça tridimensional com dois andares que são sustentadas por três colunas em forma de árvore. Sua arquiteta foi uma menina entre seus 25 anos!!!! A ponte não é apenas um caminho a percorrer, mas um lugar para ficar. Há um café e um restaurante no nível mais baixo da ponte (onde almoçamos). Foi inaugurado em outubro de 2014 como o terceiro símbolo de Teerã. Vale visitar essa ponte localizada num jardim no centro de Teerã, com vista privilegiada da montanha com neve e da cidade moderna.

t3

Mausoléu de Ruhollah Khomeini.

Terminamos nossa “conexão” em Teerã visitando o mausoléu de Ruhollah Khomeini. Aqui abriga os túmulos do aiatolá Ruhollah Khomeini , seu segundo filho Ahmad Khomeini e algumas figuras políticas. É um centro de peregrinação dos fiéis, onde as pessoas vão para orar e prestar homenagem ao líder da revolução islâmica do país. O complexo se estende por 20 km2, abrigando um centro cultural e turístico, uma universidade para estudos islâmicos, um seminário, um shopping center e um estacionamento para 20.000 carros. A construção começou em 1989, após a morte de Khomeini no dia 3 de junho daquele mesmo ano. Ruhollah Khomeini foi uma autoridade religiosa xiita iraniana, líder espiritual e político da Revolução Iraniana de 1979 que depôs Mohammad Reza Pahlavi, na altura o xá do Irã, e instaurou uma república islâmica. Governou o Irã desde a deposição do xá Reza Pahlavi até a sua morte em 1989. Vale a visita pra entender o culto a este líder. Suntuoso, Impactante, impressionante! Diferente de tudo aquilo que ele pregava!

m

Qom

Nosso dia hoje foi em Qom, que é considerada pelos muçulmanos xiitas a segunda cidade mais sagrada no Irã depois de Mashhad. Qom tem uma reputação de ser conservadora e, portanto, é apenas uma cidade para percorrer os roteiros de muitos viajantes. Estudiosos e estudantes xiitas vêm de todo o mundo para estudar em seus madrasehs ( escolas) e navegam em suas famosas livrarias religiosas, os peregrinos prestam homenagem ao santuário e os habitantes locais são visivelmente piedosos. Os viajantes precisam estar atentos à natureza religiosa da cidade ao visitar e se vestir de maneira conservadora.

q

Mausoléu de Fátima Masumeh

Aqui visitamos o Mausoléu de Fátima Masumeh. O local consiste no mausoléu, três pátios e três grandes salas de oração, totalizando uma área de 38 mil metros quadrados. O edifício do mausoléu de Fátima destaca-se especialmente pela sua cúpula dourada, com aproximadamente 270 quilos de ouro. Vários minaretes são distribuídos aqui e ali, tanto no mausoléu quanto nas diferentes mesquitas do complexo. Sempre decorado com essa beleza que é a cerâmica vitrificada e que adorna as diferentes fachadas. O vidro (ou cristal) é encontrado na parte superior da porta de acesso em uma configuração inacreditável.
A verdade é que o Santuário Qom, dedicado a Fátima, é além de um dos lugares mais sagrados do Irã, também é um dos mais fascinantes do país. Fiquei admirada olhando tanta riqueza em um só lugar. Sem sombra de dúvidas, um lugar inesquecível.
Os visitantes precisam estar atentos à natureza religiosa da cidade ao visitar e se vestir de maneira extremamente conservadora em respeito à eles.

ma
ma8

Casa de Tabatabaei

Hoje pela manhã fomos conhecer a casa do Barão em Kashan. A Casa de Tabatabaei foi uma importante residência histórica.
O palácio foi construído na década de 1840 para a influente família Tabatabaei.
O edifício tem 4 pátios sendo uns de uso privativo da família e um enorme onde a família recebia os convidados.
As paredes são todas esculpidas no gesso… Parece uma renda!
Alem das paredes, ha elegantes vitrais e varias outras marcas da arquitetura residencial persa tradicional, como os biruni e os andaruni.
Essa visita valeu muito a pena! Fiquei encantada com a arquitetura e com a cidadezinha super charmosa!

p1

Isfahan

Isfahan é o principal destino turístico do Irã por um bom motivo. Sua profusão de bulevares arborizados, jardins persas e importantes edifícios islâmicos oferece um apelo visual incomparável a qualquer outra cidade iraniana, e os muitos artesãos que trabalham aqui sustentam sua reputação como um museu vivo da cultura tradicional. Caminhar pelo bazar histórico, pelas pontes pitorescas e pela praça central listada pela Unesco certamente será o destaque de um feriado.

is

Que cidade linda que é Esfahan!
Na cidade há 11 pontes que atravessam o Rio. Visitamos 2 delas, mas a que mais me chamou a atenção foi a ponte Khaju.
A Ponte Khaju foi construída pelo rei persa safávida , Shah Abbas II por volta de 1650 , sobre as fundações de uma ponte antiga que já existia na época de Tamerlane . Serve como ponte e também como barragem ligando o distrito de Khaju, na costa norte, ao distrito de Zoroastrian, atravessando o rio Zaiandè. A noite ela fica toda iluminada e as pessoas ficam por lá aproveitando a noite. É realmente uma das maravilhas da arquitetura persa.

Catedral Vank

Fiquei impressionada ao ver uma catedral tão linda no Irã. A Catedral Vank é uma obra-prima da arquitetura. A construção desta catedral começou na
época de Shah Abbas, o segundo. A arquitetura é uma combinação da
arquitetura iraniana e armênia. É por isso que, quando você chegar a esta igreja antiga, verá que essa catedral é a única a ser construída com materiais indígenas, como argila e tijolo.
Certamente, é uma maneira de mostrar a cultura mista e o círculo simbionte que permaneceu por mais de quatrocentos anos em Jolfa. Vale a ressalva para as coleções únicas de belos afrescos: retratam histórias da Bíblia Sagrada e de Tora. Os artistas armênios os pintaram durante a era safávida.
Fiquei chocada ao ver 100% de todas as paredes, inclusive do teto.

v

Mesquita do Imam

A tarde foi a vez de visitar uma Mesquita super antiga!!!! Com mais de 20.000 metros quadrados, a Mesquita de sexta feira fica ao lado da mundialmente famosa Mesquita do Imam, no lado sul da histórica Praça Naqsh-e Jahan (Imam), a segunda maior do mundo depois da Praça Tiananmen, em Pequim. Denominada também como “mesquita das sextas feiras” pois é o principal dia da orações mais sagradas para o Islã, e consequentemente a mais frequentada nesse dia. Colocada na lista de Patrimônio Mundial da UNESCO, a mesquita ainda funciona como um local de culto movimentado no recinto histórico da cidade. Este enorme complexo data de mais de 1000 anos. A mesquita é o resultado de uma construção contínua com reconstruções, adições e renovações que duraram desde 771 até o final do século XX.
Você pode rastrear a evolução do complexo da mesquita e ver os diferentes estilos arquitetônicos – assim como os danos causados pelas bombas durante a guerra Irã-Iraque.

me6

Praça Naqsh-e-Jahan, a Praça do Imam

Hoje foi dia de explorar a praça Naqsh-e-Jahan, a Praça do Imam.
Cercada dos quatro lados por pedras arquitetônicas e abraçando as fontes e os jardins no centro, esse maravilhoso espaço é um espetáculo por si só. Foi construído em 1602, sob o reinado do governante safávida, Shah Abbas, o Grande, para sinalizar a importância de Esfahan como capital de um poderoso império.
Com 512m de comprimento e 163m de largura, Naqsh-
e Jahan é uma das maiores praças do mundo, sendo listada como Patrimônio Mundial da UNESCO. O nome significa ‘padrão do mundo’ e foi projetado para exibir as melhores jóias do império Safavid – o incomparável Masjed-e Shah, o elegante Masjed-e Sheikh Lotfollah e o luxuoso Kakh-e Ali Qapu e o Portal Qeysarieh.
A praça fica linda no final da tarde, quando os minaretes e cúpulas de azulejos azuis são iluminados pelos últimos raios do sol e as montanhas ficam vermelhas, momento em que as famílias locais se reúnem para um passeio ao redor do perímetro.

p1 1

Palácio Chehel Sotoun

Isfahan tem uma reputação mundial por ser uma cidade artística e histórica. Uma das atrações mais visitadas é o Palácio Chehel Sotoun. O significado do seu nome é um palácio com 40 colunas. Na verdade são somente 20 colunas. As outras 20, estao no reflexo que as colunas fazem no espelho d’agua. Kkkkk.
No palácio há várias pinturas nas paredes, uma coisa impressionante .
Listado como Patrimônio Cultural da UNESCO, o palácio Chehel Sotoun e seu jardim real são um dos locais mais antigos de Isfahan. A construção e o estabelecimento deste admirável palácio datam da Era Safávida, em 1588.
A terra do Palácio Chehel Sotoun é de 67.000 metros quadrados. Seu design foi inspirado na arquitetura chinesa, iraniana e europeia. Um passeio extremamente agradável e imperdível, pela qualidade da conservação do local.

pp
pp7
pp9

Pasárgada

Depois de alguns horas de carro, chegamos em Pasargada. Pasárgada era uma cidade da antiga Pérsia onde hoje é Irã. Fica na província de Fars,próximo de Persépolis. Trata-se, na atualidade, de um sítio arqueológico tombado pela UNESCO em 2004. O rei, a quem Manuel Bandeira se refere no famoso poema, era Ciro II. No tempo dele, Pasárgada era a primeira capital da Pérsia. Como a Pérsia era um reino muito vasto, além de Pasárgada havia outras capitais: Persépolis, Ecbátana, Susa ou Sardes. Pasárgada ficou inacabada porque Ciro II morreu durante sua construção.Mesmo assim manteve-se  como capital do reino, até  que Dario, assumindo o poder, fez a mudança para Persépolis. O nome Pasárgada, tal como conhecemos hoje, vem  provavelmente do grego.

pas
pas2

Mesquita Nasir al-Mulk

Existem inúmeras mesquitas em todo o mundo. Cada um tem um design próprio. No entanto, para se diferenciar de outras mesquitas, uma mesquita precisa ser única e possuir características excelentes. Uma dessas mesquitas é a mesquita Nasir al-Mulk, em Shiraz, no Irã. Do lado de fora, parece uma mesquita convencional, mas por dentro há algo mais … …
Tradicional mesquita em Shiraz, é conhecida como Mesquita Rosa, por causa dos azulejos de cor rosa instalados em seu design de interiores,
Não são apenas os seus vitrais ricamente coloridos, mas as paredes apresentam uma variedade bonita e vibrante de azulejos geométricos pintados.
A construção da mesquita foi iniciada em 1876 e concluída em 1888 em Shiraz, no Irã, sob a ordem de Mirza Hasan Ali Nasir al Molk, um senhor da dinastia Qajar. Os vitrais capturam a luz da manhã e criam um jogo glorioso de luz no chão da mesquita, ganhando o nome de “Mesquita Rosa”. Embora alguns dos azulejos que o decoram sejam cor de rosa, parece que a mesquita inclui quase todas as cores sob o sol.
A mesquita apresenta muitos elementos da arquitetura islâmica tradicional, como os arcos iwan e uma fonte central de abluções, mas os vitrais são relativamente raros.
Impressionante o visual cor de rosa!

na

Tumba de Hafez

A tumba de Hafez foi construído na memória do famoso poeta persa Hafez. Eles foram construídos em 1935 pelo arquiteto francês Andre Godard, no local da estrutura anterior construída em 1773. A tumba é uma das atrações
turísticas mais importantes da cidade de Shiraz. Está cercado por belas piscinas retangulares, árvores e caminhos. Muitos dos itens do jardim estão gravados com a poesia de Hafez, e na caixa de som, um homem recita seus poemas com música persa ao fundo. A energia é incrível.
Hafez é considerado o maior poeta da cultura persa. Ele escreveu sobre amor, fé e foi um excelente satírico – criticando políticos e governantes de seu tempo. É um lugar verdadeiramente importante para os habitantes locais, eles sentem imenso orgulho de Hafez, que era um Shirazi como eles. Se você quiser entender o significado dos poemas, pergunte a qualquer um ao seu redor. Todo mundo ficaria feliz em ajudá-lo com a tradução e explicar o significado para você.

h

Jardim de Eram

Uma outra atração turísticas muito impressionantes em Shiraz é sem dúvida o histórico jardim persa chamado Eram.
O jardim está localizado na parte norte do rio Khoshk. Algumas fontes
mostram que os jardins foram construídos entre os séculos XI e XIV durante o reinado da Dinastia Seljuk, e depois foram restaurados pela Dinastia Zand. Hoje, o jardim Eram faz parte do Jardim Botânico de Shiraz, que foi criado em 1983. O jardim botânico é administrado pela Universidade Shiraz e está listado como Patrimônio Mundial da UNESCO.
Mohammad Qoli Khan, chefe tribal de Qashqai, encomendou a construção da bela mansão, que ocupa a parte central do jardim. A mansão é uma das partes mais impressionantes do jardim. A mansão, as árvores antigas, a água pelo jardim, é o que torna o jardim a ser Persa!

e
e2

Persópolis

Hoje voltamos a muitos e muitos anos atrás…
Em seu apogeu, Persépolis era uma das quatro principais cidades no coração de um império que se estendia do rio Indo à Etiópia. Seu nome original era Parsa e só adquiriu o nome grego de Persépolis – significando Cidade de Parsa (Cidade da Pérsia) e Destruidor de Cidades – depois que o exército de Alexandre, o Grande, destruiu a cidade em 330 aC.
Persépolis já foi a cidade mais rica do mundo – a capital brilhante do Império Aquemênida. No coração da cidade ficava o palácio real – uma maravilha de ouro e prata, marfim e pedras preciosas. A partir daí, Xerxes planejou sua guerra contra a Grécia – e o tesouro de um vasto império empilhado nos depósitos. Em 330 aC, Persépolis foi capturado por Alexandre, o Grande. Antes de deixar a cidade, ele ordenou que o palácio fosse totalmente destruído – não se sabe o motivo. Hoje, as assombrosas e
espetaculares ruínas de Persépolis revelam a glória do Império Aquemênida e a brusquidão de sua passagem. O palácio ainda está marcado pelo fogo de Alexandre: três pés de cinza cobriram o chão em alguns lugares quando foi escavado pela primeira vez – e muitas das colunas ainda estão visivelmente marcadas pelas chamas que queimaram mais de dois mil anos atrás.

p5 3
p1 2

Fotos Arquivo Paula Maluf



PUBLICIDADE